Hello, eu sou a Karen, uma das idealizadoras do Kim’s Adventures.

 

Hoje resolvi vir aqui nesse espaço,

para contar a história de como

o bilinguismo passou a fazer parte do

meu dia-a-dia com o meu filho Pedro,

hoje com 3 anos e 9 meses.

Tudo começou, quando próximo aos 2 anos, resolvi iniciar a introdução do Pedro

no ambiente escolar.

Passei 6 meses revirando escolas, métodos

e estruturas... Confesso que nessa busca,

o bilinguismo era um atributo interessante, porém, não era o principal.

Eu sou uma pessoa que ama aprender,

por isso, estudar sobre métodos pedagógicos foi um universo que

me envolvi bastante. Além disso, também senti curiosidade em entender se de fato

o bilinguismo na educação infantil

era algo diferenciado.

Foi quando encontrei a Kate, especialista

do tema e proprietária da escola em que matriculei o Pedro, e a mesma me explicou o quanto o bilinguismo seria algo natural, flexível e adaptável à rotina do Pedro. Confiei naquela conversa e voltei para casa com o coração e a cabeça cheia de possibilidades incríveis para o meu filho.

Após várias visitas, a ESCOLHA. Mais guiada neste momento pelo sentimento “feeling”

do que pelo bilinguismo. 

Saber que meu filho seria conhecido pelo nome, mas não só isso, ele seria o Pedro, filho da Karen e do Henrique, me fez ter aquele sentimento tão importante

na confiança de uma mãe em outra pessoa: “aqui ele vai se sentir em casa”.


Em pouco tempo de convívio no ambiente escolar, o Pedro, então com pouco mais

de 2 anos, uma criança que até então tinha um pequeno reportório de palavras, se tornou uma criança super ativa e falante... 

Certo dia, enquanto brincávamos com

os seus carrinhos, percebo que ele está separando seus carrinhos por cores:

“Brown, red and blue”. Logo pensei “OMG

(oh my God)”! Sim! Pedro em pouco tempo, em sua rotina de brincadeiras, passou

a associar os 2 idiomas.


Como ele mesmo diz muitas vezes:

“Good job”. 

O bilinguismo entrou em nossa rotina, realmente de maneira muito natural... e nos deliciamos em vê-lo se COMUNICAR,

com a liberdade de escolha dele.

mae e filho

Como o bilinguismo

surgiu no meu

contexto familiar?

Vamos falar

de Propósito?

Você já pensou no seu Propósito?

Sabe aquela razão de viver?


Nós como mães e pais, automaticamente pensamos em nossos filhos... Yes, eles são sem dúvida um dos motivos... Mas não precisam ser os únicos, ou melhor, eles podem ser o meio para encontrarmos uma razão maior, além deles, ou até mesmo além de nós ou da nossa família.


Para escrever esse artigo, refleti sobre quando entender o meu PROPÓSITO se tornou pauta na minha vida e foi fácil identificar esse marco, definitivamente

a maternidade teve papel crucial nisso...
Eu desenhei uma carreira em multinacionais desde o meu primeiro ano de faculdade, sou motivada a criar, transformar e evoluir através do relacionamento com as pessoas.


Ser mãe sempre foi um sonho, porém, antes da maternidade, tive a ilusão

de que planejaria O QUANDO aconteceria e QUAL seria a proporção que teria na minha vida Pessoal x Profissional.


Essa ilusão de que EU CONTROLARIA a maternidade se desfez desde

o Planejamento do QUANDO... Imaginava que ao parar de tomar anticoncepcional, que levaria ao menos 1 ano para

a PLANEJADA gravidez acontecer, mas, poucos meses depois, descobri que estava grávida de no mínimo 8 semanas...

“baby is comming”.


Depois desse início, EVERY MOMENT, absolutamente todos, foram de emoções, sentimentos e sensações, impossíveis

de serem planejadas nos mínimos detalhes, como usualmente eu fazia.


Quando retornei ao trabalho, após 7 meses de licença maternidade, estava naquela fase de sentir saudades, mas ali, senti claramente, que essa volta tinha

que ter um significado maior, algo que

de fato, valesse eu deixar de acompanhar todas as horas do dia daquele que tomou a MAIOR proporção DO MEU AMOR.


Acho que foi aqui que iniciou a tal

busca do meu Propósito... Really!


Como já disse, amo estudar e passei

a dedicar um tempo para o assunto, novamente, de maneira ingênua, defini: vou definir MEU PROPÓSITO, right now.


Trabalho com MKT e nesse momento,

a empresa que trabalho estava fazendo um SUPER trabalho de Branding, que foi mais uma fonte de estudo na ocasião...


Mas nada do meu Propósito...


Um dia cansada da alta demanda

de trabalho, trânsito, conciliar noites mal dormidas com o trabalho... escutei

de um diretor que sempre foi uma inspiração uma frase muito interessante: “Quem tem um Porque, aguenta quase todo Como”...


Essa frase se aplicava definitivamente

a maternidade, todo o meu dia-a-dia

com o Pedro, por mais exausta

que estivesse após uma semana

de trabalho... bastava um sorriso,

um carinho, uma nova palavra

(always in english), que minhas energias estavam renovadas, para por exemplo, aprender a cozinhar receitas saudáveis aos finais de semana. 


Passar a frequentar sacolões para comprar legumes, frutas e verduras frescas, aprender a frequentar peixarias, em busca de pratos frescos, era algo motivante... Parecia perfeitamente ligado ao meu Propósito de oferecer as melhores oportunidades de alimentação

e/ou desenvolvimento para o Pedro.
 

família
caminhada
gestante
casal

Mas o que tinha acontecido comigo? Parecia que no ambiente que estava acostumada há pelo menos 10 anos,

não estava mais tão inserida assim, pertencente, algo não se encaixava mais...

Em algum momento, outra frase sobre Propósito me pareceu fazer sentido,

ou pelo menos, me aquietou a ansiedade

de defini-lo, que foi: “Não precisa ficar procurando o seu Propósito,

uma hora ele te encontra”.


Naquele momento, talvez foi só um:

“Ok Karen, foca em outra coisa,

para de gastar energia nessa tal definição e foque no que há no seu ambiente

de trabalho, que você admira”.


Eu não sei explicar bem, mas as coisas

de fato começaram a se encaixar...

voltei a conseguir criar e transformar coisas, através da relação com líderes, pares e colaboradores e isso voltou

a me motivar no ambiente corporativo, acho que a maternidade me trouxe novas sensibilidades, novos espaços de fala

e aos poucos fui encontrando algumas RAZÕES DE SER E ESTAR naquele ambiente novamente.


Em um treinamento que fiz esse ano, conheci o Ikigai, uma palavra japonesa que significa “razão de viver”.

Ao realizar um exercício onde

eu deveria especificar 3 perguntas:

1. O que eu amo fazer?

2. O que eu faço bem?

3. O que o mundo precisa?

Percebi que minha visão de mundo, estava diretamente ligada as opções que tento proporcionar na criação do Pedro...

 

Porém, essa constatação

naquele momento ficou guardada.


Sabe aquela frase:

“O propósito te encontra?”


O meu aconteceu exatamente assim...


Esse ano, com a pandemia, assim como todas as escolas, a do Pedro também teve que deixar de dar aulas presenciais,

mas desde a primeira reunião com os pais, percebi a preocupação da Kate e Laidy (minhas sócias no Kim’s Adventures).


Elas demonstraram uma incrível preocupação na adaptação ao meio online, a fim de manterem

o desenvolvimento das crianças,

e principalmente a relação

com as crianças e pais...


Em uma dessas reuniões, pensei, poxa, essa oportunidade que o Pedro tem acesso: (uma escola socioconstrutivista, bilingue e tão preocupada com

o desenvolvimento socioemocional

das crianças, poderia ser algo,

pelo menos em parte, acessível

para mais crianças... BINGO!

Tinha aqui a oportunidade de proporcionar algo maior que o Pedro, que minha família... Algo acessível a nossa sociedade.


Encontrei meu Propósito,

no Propósito da Kate e Laidy. 


E assim, surgiu o Kim’s Adventures,

nossa contribuição em disseminar

um método pedagógico e bilíngue,

de maneira lúdica.

nuvem